FLAUBERT (1821-1880)

Não tinham outra coisa para se dizer? Os seus olhos, entretanto, estavam cheios de uma conversa mais séria; e, enquanto se esforçavam por encontrar frases banais, sentiam num mesmo langor invadi-los a ambos; era como um murmúrio da alma, profundo, contínuo, que dominava o das vozes. Surpresos de espanto diante dessa suavidade nova, não pensavam em contar um ao outro a sensação ou descobrir a causa. As felicidades futuras, como as margens dos trópicos, projetam sobre a imensidão que as precede as suas molezas natais; uma brisa perfumada, e a gente adormece nessa embriaguez sem sequer inquietar-se com o horizonte que não se avista.

MADAME BOVARY

Gustave Flaubert foi um escritor francês. Prosador importante, Flaubert marcou a literatura francesa pela profundidade de suas análises psicológicas, seu senso de realidade, sua lucidez sobre o comportamento social, e pela força de seu estilo em grandes romances, tais como Madame Bovary (1857), A Educação Sentimental (1869), Salambô (1862) e contos, tal como Trois contes (1877).

Comentários