CHARLES BAUDELAIRE (1821-1867)

ANYWHERE OUT OF THE WORLD

Seja onde for - fora do mundo

ESTA VIDA é um hospital onde cada enfermo vive ansioso por mudar de leito. Este desejara sofrer diante da lareira; aquele pensa que se curaria ao lado da janela.

Tenho a impressão de que estaria sempre bem lá onde não estou, e este problema de mudança é um dos que eu discuto sem cessar com a minha alma.

- Dize-me, ó minha alma, pobre alma arrefecida, gostaria de habitar Lisboa? Lá deve fazer calor, e tu te refestalarias como um lagarto. É uma cidade à beira da água; dizem ser construída de mármore, e que seu povo odeia tanto o vegetal que arranca todas as árvores. Eis aí uma paisagem conforme ao teu gosto; paisagem feita com a luz e o mineral, e o líquido para refleti-los!

Minha alma não responde.

- Visto que és tão amiga do repouso, com o espetáculo do movimento, queres vir habitar a Holanda, essa terra de bem-aventurança? Creio que te divertiria nessa região, cuja imagem tantas vezes admiraste nos museus. Que pensarias de Roterdã, ó tu que amas as florestas de mastros e os navios atracados junto às casas?

Minha alma permanece muda.

- Porventura a Batávia te sorriria mais? Lá encontraríamos o espírito da Europa casado à beleza tropical.

Nem uma palavra. Minha alma estaria morta?

- Então chegaste a um grau de entorpecimento em que só te comprazes com o teu próprio mal? Se assim é, fujamos para as terras que são as analogias da Morte... Já sei o que nos serve, pobre alma! Preparemos as malas para Tornéu. Vamos ainda além, ao extremo do Báltico, ainda além da vida, se é possível; vamos viver no pólo. Lá o Sol apenas roça de soslaio a Terra, e as lentas alternativas da luz e da noite suprimem a variedade e aumentam a monotonia, essa metade do nada. Lá poderemos tomar longos banhos de trevas, enquanto, para nos divertirem, as auroras boreais nos enviarão de quando em quando os seus feixes róseos, como reflexos de um fogo de artifício do Inferno!

Por fim, minha alma explode, e sabiamente me grita:

- Seja onde for! desde que fora deste mundo!

Comentários