CHARLES BAUDELAIRE (1821-1867)

ESPANQUEMOS OS POBRES

DURANTE QUINZE DIAS eu me enclausurara no meu quarto e cercara-me dos livros em moda naquele tempo (há dezesseis ou dezessete anos); refiro-me aos livros que tratam da arte de tornar os povos felizes, discretos e ricos em vinte e quatro horas. Tinha, pois, digerido - engolido, quero dizer - todas as elucubrações de todos esses empreendedores da felicidade pública - daqueles que aconselham todos os pobres a fazerem-se escravos, e daqueles que os persuadem de que todos eles são reis destronados. Não é, pois, de surpreender me achasse num estado de espírito vizinho da vertigem ou da estupidez.

Parecera-me somente que eu sentia, confinado no fundo de meu intelecto, o germe obscuro de uma ideia superior a todas as fórmulas da curandeira de que eu havia recentemente percorrido o dicionário. Isso, porém, era a ideia de uma ideia, alguma coisa infinitamente vaga.

E sai com muita sede. O gosto apaixonado das más leituras engendra uma necessidade proporcional de ar livre e de refrigerantes.

Ia entrando numa taberna, quando um mendigo me entendeu o chapéu, com um desses olhares inesquecíveis que derrocariam os tronos, se o espírito movesse a matéria e se o olho de um magnetizador fizesse amadurecer as uvas.

Ao mesmo tempo, ouvi uma voz cochichar-me ao ouvido, uma voz que reconheci perfeitamente: era a de um Anjo bom, ou de um bom Demônio, que me acompanha por toda parte. Pois se o Sócrates tinha o seu bom Demônio, por que não se haveria de eu ter o meu Anjo bom, e por que não haveria de ter a honra, como Sócrates, de obter o meu diploma de loucura, assinado pelo sutil Lélut e pelo atilado Baillarger?

Entre o Demônio de Sócrates e o meu há esta diferença; o de Sócrates não se lhe manifestava senão para defender, advertir, impedir; e o meu se digna de aconselhar, sugerir, persuadir. O pobre Sócrates não tinha mais que um Demônio proibidor; o meu é um grande afirmador, o meu é um Demônio em ação, ou Demônio de combate.

Ora, a sua voz me cochichava isto:

- Só é igual a outro aquele que disso dá prova, e só é digno da liberdade aquele que sabe conquistá-la.

Imediatamente me atirei sobre o meu mendigo. Com um só morro lhe tapei um dos olhos, que se tornou, num segundo, do tamanho de uma bola. Quebrei uma das unhas rebentando-lhe dois dentes, e, como não sentisse bastante forte - pois sou frágil de natureza e não me exercitei bem no boxe - para moer de pancadas aquele velho, segurei-o com uma das mãos pelo colete e com a outra agarrei-o pela garganta, e pus-me a sacudir-me vigorosamente a cabeça de encontro a uma parede. Devo confessar que naquele subúrbio deserto eu me encontrava, por um espaço de tempo bastante longo, fora do alcance de qualquer agente de polícia.

Depois, com um pontapé nas costas, bastante vigoroso para fraturar-lhe a omoplata, prostei por terra o alquebrado sexagenário, e, apoderando-me de um grosso galho de árvore que se arrastava pelo chão, fustiguei-o com a energia obstinada dos cozinheiros que querem amolecer um bife.

Súbito - ó milagre! ó alegria do filósofo que comprova a excelência da sua teoria! - vi aquela carcaça voltar-se, endireitar-se com um vigor que eu jamais teria presumido em máquina tão singularmente desconjuntada, e, com um olhar de ódio que se me afigurou de bom augúrio, o malandro decrépito investiu contra mim, contundiu-me sob os dois olhos, quebrou-me quatro dentes, e com o mesmo galho de árvore me bateu de rijo. Com a minha enérgica medicação eu lhe restituíra o orgulho e a vida.

Então, fiz-lhe compreender, por meio de muitos sinais, que dava por encerrada a contenda, e, erguendo-me com a satisfação de um sofista do Pórtico, disse-lhe:

- O senhor é igual a mim! Dê-me a honra de partilhar da minha bolsa; e, se realmente é filantropo, lembre-se que é necessário aplicar a todos os seus confrades, quando lhe pedirem esmola, a teoria que eu tive a dor de experimentar nas suas costas.

Ele jurou-me que havia compreendido a minha teoria, e que ouviria os meus conselhos.

Comentários

  1. Também traduzi esse texto. Gostei de comparar nossas traduções. Fui bem mais fiel ao texto original.

    ResponderExcluir
  2. Infelizmente ainda não são tão boa assim para traduzir um texto, recentemente comprei Oliver Twist na versão inglesa, será o meu primeiro livro que irei ler em inglês, e o melhor, na versão original. Você me deu uma idéia, irei compartilhar as minhas traduções quando eu fazer. Quanto a essa tradução de Charles Baudelaire o texto foi extraido da obra POESIA E PROSA DE CHARLES BAUDELAIRE pela editora Nova Aguilar.

    ResponderExcluir

Postar um comentário