FLAUBERT (1821-1880)

Charles andava triste; a clientela não chegava. Ficava sentado longas horas, sem falar, ia dormir em seu gabinete ou ficava olhando a sua mulher costurar. Para distrair-se, ocupou-se em sua casa com serviços braçais, e até tentou pintar o sótão com um resto de tinta que os pintores haviam deixado. Mas as questões de dinheiro o preocupavam. Tinha gastado tanto para os consertos em Tostes, para as toaletes da senhora e para a mudança, que todo o dote, mais de três mil escudos, tinha-se esgotado em dois anos. Depois, quanta coisa quebrada ou perdida no transporte de Tostes a Yonville, sem contar o padre de gesso que, caindo da carroça num solavanco muito forte, tinha se arrebentado em mil pedaços no calçamento de Quincampoix!

MADAME BOVARY

Gustave Flaubert foi um escritor francês. Prosador importante, Flaubert marcou a literatura francesa pela profundidade de suas análises psicológicas, seu senso de realidade, sua lucidez sobre o comportamento social, e pela força de seu estilo em grandes romances, tais como Madame Bovary (1857), A Educação Sentimental (1869), Salambô (1862) e contos, tal como Trois contes (1877).

Comentários