STENDHAL (1783-1842)

O sorriso de prazer expirou em seus lábios: lembrou-se da posição que ocupava na sociedade, e sobretudo aos olhos de uma herdeira nobre e rica. Num relance, não teve na fisionomia nada além da altivez e da raiva de si próprio. Sentia um despeito violento por ter atrasado a partida em mais de uma hora e merecer recepção tão humilhante.

"Só um tolo tem raiva dos outros", pensou, "uma pedra cai porque é pesada. Será que ainda sou criança? Quando então terei adquirido o bom hábito de entregar a alma a essas pessoas apenas na medida exata do dinheiro delas? Se quero ser estimado por essa gente e por mim mesmo, é preciso mostrar-lhes que é a minha pobreza que negocia com a riqueza delas, mas que o meu coração está a mil léguas da sua insolência, e numa esfera alta demais para ser atingido pelos seus pequenos gestos de desdém ou de favor."

O VERMELHO E O NEGRO

Comentários