STENDHAL (1783-1842)

Julien tinha vergonha das próprias emoções; via-se amado pela primeira vez na vida; chorava deliciosamente e foi esconder as lágrimas nos grandes bosques de Verrières.

"Por que me encontro nesse estado?", pensou enfim. "Sinto que daria cem vezes a minha vida pelo bom cura Chêlan, e no entanto ele acaba de me provar que não passo de um tolo. É sobretudo a ele que me importa enganar, e ele adivinha. O arrebatamento secreto de que me fala é o meu projeto de fazer fortuna. Não me acha digno de ser padre, justamente quando eu imaginava que sacrificar cinquenta luíses de renda lhe daria a ideias mais elevada da minha piedade e da minha vocação."

"No futuro", continuou Julien, "só contarei com as partes do meu caráter que já tiver testado. Quem diria que teria prazer em derramar lágrimas! Que gostaria de quem me prova que não passo de um tolo!"

O VERMELHO E O NEGRO

Comentários