CHARLES BAUDELAIRE (1821-1867)

A SOLIDÃO

DIZ-ME um jornalista filantropo que a solidão é má para o homem; e, em abono de sua tese, cita, como todos os incrédulos, palavras dos Padres da Igreja.

Eu sei que o Demônio é dado a frequentar os sítios áridos, e que o Espírito do homicídio e da lubricidade se inflama prodigiosamente nos ermos. Mas talvez esta solidão só fosse um perigo para a alma ociosa e divagadora que a povoa de suas paixões e de suas quimeras.

Certo é que um tagarela, cujo supremo prazer consiste em falar do alto de uma cátedra ou de uma tribuna, se arriscaria muito a tornar-se louco furioso na ilha de Robinson. Não exijo do meu jornalista as corajosas virtudes de Crusoe, mas peço-lhe que não incrimine os amantes da solidão e do mistério.

Há em nossas raças palradoras individuos que aceitariam com menor repugnância o suplício máximo, se lhes fosse permitido fazer do alto do cadafalso uma copiosa arenga, sem temer que os tambores do Santerre lhes cortassem intempestivamente a palavra.

Não os lastimo, porque adivinho que as suas efusões oratórias lhes proporcionam volúpias iguais às que outros encontram no silêncio e no recolhimento; porém os desprezo.

Desejo, antes de tudo, que o maldito jornalista me deixe divertir-me a meu gosto.

- Então o senhor não sente nunca - perguntou-me, com um tom nasal muito apostólico - a necessidade de compartir os seus prazeres?

Vejam lá o sutil invejoso! Ele sabe que eu desdenho os seus, e vem insinuar-se nos meus, o horrível desmancha-prazeres!

"A grande desgraça de não se poder estar só!..." - diz algures La Bruyère, como para envergonhar os que procuram esquecer-se na multidão, temendo, sem dúvida, não se poderem suportar a si mesmos.

"Quase todas as nossas desgraças nos advém de não termos sabido ficar em nosso quarto" - diz outro sábio, creio que Pascal, lembrando assim, na cédula do recolhimento, todos os insensatos que buscam a felicidade no movimento e numa prostituição a que eu poderia chamar fraternitária, se quisesse falar a bela língua do meu século.

Comentários