JORGE DE LIMA (1895-1953)

AS PESSOAS DE MIRA-CELI

Roselis é uma que se livrou do exílio entre os mercenários
e tem os cílios embebidos do mais puro unguento.
No seu olhar há indícios de grandes poemas
e em seus quatorze anos ela é uma promessa de carne e de luz.
Em sua permanência entre sórdidos escravocratas
conseguiu deixar intacto este orvalho divino
que lhe cobriu os seios, quando era menina.
e há no seu andar certo orgulho inocente,
como o orgulho da noite iluminada de estrelas.
Roselis liberta ofereceu-se para constituir-se em seu marco,
de um laguna estelar,
porque ela é meio ondina até o ventre ou pouco acima.
O certo é que vão renascer nos seus peitos de neve
dois gêmeos ou dois cisnes ou dois diapasões de bronze
que acordarão o mundo para encher-se de poetas.
Roselis, a salva dos escravocratas, conseguiu ficar selada
entre os açoites e as lanças, entre os unicórnios e as lufadas.
O corpo de Roselis pode vingar-se como a bola de neve
que rolará sobre os lobos famintos.
Mas prefere dissolver-se em neblina
e umedecer as pálpebras dos poetas tristes.

Jorge Mateus de Lima foi um político, médico, poeta, romancista, biógrafo, ensaísta, tradutor e pintor brasileiro. Inicialmente autor de versos alexandrinos, posteriormente transformou-se em um modernista.

Comentários