STENDHAL (1783-1842)

Mais de uma hora depois, quando o sr. de Rênal voltou com o novo preceptor, que agora já vestia negro, encontrou sua mulher sentada no mesmo lugar. Ela se tranquilizou com a presença de Julien; examinando-o, esquecia os próprios temores. Julien não pensava nela; apesar de toda a desconfiança que tinha em relação ao destino e aos homens, sua alma nesse momento era a de uma criança; parecia-lhe ter vivido anos desde o instante em que, três horas antes, estivera na igreja, trêmulo. Notou o ar gelado da sra. de Rênal, compreendeu que se zangara por ele ter se atrevido a beijar sua mão. Mas o sentimento de orgulho que lhe dava o contato com roupas tão diferentes das que costumava usar deixara-o fora de si, e tinha tanta vontade de esconder a alegria que todos os seus movimentos traziam qualquer coisa de brusco e de louco. A sra. de Rênal contemplava-o com olhos suspensos.

O VERMELHO E O NEGRO

Comentários