BOCCACCIO (1313-1375)


É conveniente, mulheres caríssimas, que, a todas as coisas que o homem leva a termo, se dê principio com o admirável e santo nome dAquele que de tudo foi o Criador. Devendo eu dar inicio à nossa série de narrativas, pretendo, na qualidade de primeiro a falar, começar a falar de um das Suas coisas maravilhosas. Assim, ouvida a novela, a nossa esperança nEle se fixará, como que apoiada em algo impermutável. E sempre o Seu nome será pelo nosso grupo, carinhosamente louvado.

É manifesto que, como as coisas temporais são todas transitórias e mortais, assim também elas estão cheias de tédio, de angústia, e de fadiga; encontram-se elas, ademais, sujeitas a perigos. Não poderíamos, por certo, suportar estas coisas, nós, que vivemos entre elas, e que até fazemos parte delas, se uma especial graça de Deus não nos proporcionasse força e descortino. Não se deve crer que tal graça desça sobre nós por qualquer mérito nosso. Ela procede da própria bondade Sua, bem como das súplicas a Ele dirigidas por aqueles que, como nós agora somos, também foram mortais. Enquanto viveram, seguiram os ditames do prazer; agora, com Ele, se fizeram eternos e se tornaram beatos. A eles, como a procuradores bem informados, por experiência, da nossa fragilidade, nos entregamos, para o trato das coisas que julgamos oportunas. (Talvez não sejamos suficientemente audaciosos para apresentar nossas súplicas na presença de tão alto juiz, que é Deus). E ainda mais a Ele, tão cheio de piedosa liberalidade para conosco, nós nos entregamos. Não pode a agudeza da vista mortal entrar, de maneira alguma, no segredo da mente divina. E acontece, por vezes, por isso, que, enganados por opiniões falíveis, guindamos à categoria de nossos procuradores, no céu, perante a Sua majestade, alguém que, por via de eterno exílio, foi expulso da presença dessa majestade. Não obstante, Ele, a quem coisa alguma se oculta, acede aos que Lhe dirigem preces; porque Ele leva mais em consideração a pureza do suplicante, do que a sua ignorância, ou o exílio do suplicado. Isto poderá ressaltar flagrantemente da novela que pretendo narrar. Flagrantemente, quero dizer, seguindo, não o juízo de Deus, e sim o dos homens.

O DECAMERÃO 
Primeira Jornada: Pampinéia. 
Primeira Novela: Pânfilo

Comentários