MIL E UMA NOITES

Ó Poeta, o vento da Fortuna jamais soprará ao teu lado! Ignoras, ingênuo, que nem tua pena de caniço nem as linhas harmoniosas da tua escrita, não te hão de enriquecer jamais?

Comentários