A IPANEMIA

CAETANO VELOSO


A Ipanemia é uma doença fácil - Endepidêmica, vem em ondas como o mar, e como o mar, vem em ondas sem por isso deixar de estar sempre aí mesmo. Não creio que ela se restrinja a Ipanema. Muito pelo contrário: no meu entender, a Ipanemia (como tudo) nasceu na Bahia. O Rio apenas esporta para o exterior (São Paulo).

A Ipanemia é uma doença fértil  Eu, por exemplo, recebi muitas cartas de felicitações pela minha morte, que, entre outras besteiras, eu mesmo noticiei há uns três Pasquins. Quero responder publicamente a todos os que me escreveram nessa oportunidade, explicando que eu quis dizer que estava morto, e não triste. Não estou nem mais alegre, nem mais triste do que antes. Nem mais nem menos poeta, tampouco. Quem nunca morreu não sabe, mas vem dar no mesmo: neve é ótimo, frio é chato, Paul McCarney assegura que está vivo, Gil manda dizer que recusa o Golfinho da Imagem e do Som. Londres é bom, fiz umas músicas bonitas que estão agradando aqui, acho que nunca vou aprender a falar inglês, mas não faz mal etc., tá legal tudo. Além do mais, não há motivo para tanta alegria: eu ainda posso ressuscitar. A nossa época é uma época de milagres. De qualquer modo, o negócio não é esse, bicho. Eu gostaria apenas que a minha morte fizesse bem à Gal Costa. Tomara que ela tenha percebido que eu morri. Digo isso porque eu mesmo não me apercebi de imediato. Alguns amigos me avisaram, mas eu não liguei, até que vi o retrato.
A Ipanemia é uma doença horrível  E na sua débil beleza, ela is suppsoed to be um anticorpo contra o dragão da maldade. Mas, na verdade, ela desempenha o papel da donzela, que deve ser salva pelo santo guerreiro. Só que não é mais donzela, nem nada. E não há nenhum santo em vista, e os guerreiros mal sobrevivem.

A Ipanemia é uma doença fóssil  O Pasquim, não tem modernidade para enfrentar o Nelson Rodrigues. A fossa é muito grande. A fosse é mais funda do que parece. Acredito que a Ipanemia seja anterior à alma lírica brasileira que tanto me interessa, a mim e ao Dr. Alceu, e ao Nelson Rodrigues. Eu, pessoalmente, adoro o Pasquim e Nelson Rodrigues e o Chico Buarque de Holanda e o Caetano Veloso. O que não suporto é a capacidade que a turma tem de nos suportar, ou melhor: eu adoro o Pasquim e eu odeio o Pasquim e eu odeio mais a maneira como se ama o Caetano Veloso e mais ainda a maneira como o Pasquim odeia o Nelson Rodrigues e a maneira fácil com quê. E sem quê. Sem quê nem por quê. E assim por diante até que eu adoro tudo em conjunto, caso contrário, eu daria daria um tiro na cabeça. De quem?  cabe a pergunta. A Ipanemia é uma espécie de o-sistema-engloba-tudo amadorístico. E Glauber é que está certo. O Zé Celso fala demais. E eu falo demais e o Rogério Sganzerla fala demais. E todo mundo se explica demais, e é uma merda. Mas talvez seja melhor: a gente se explica, se explica, e morre logo de Ipanemia e pronto. Quando a gente pensa que está lutando bravamente contra o vício de Ipanemia, a gente está se afundando cada vez mais nela. A Ipanemia é uma espécie de o-sistema-engloba-tudo amadorístico. Eu odeio esses brasileiros que vêm a Londres e falam mal do Pasquim. Porque essa vontade de falar mal exatamente do Pasquim é um sintoma da mesma doença congênita de que sofre o Pasquim. Tudo que não está além disso é a mesma porcaria. E eu não me sinto além de nada. Morrer não é ir para o além.

A Ipanemia é uma doença fútil  Portanto, eu agora quero falar da maneira mais clara possível. Quero falar de uma maneira lógica, de uma maneira à qual não estou habituado. Quero dizer que se eu falei que morri foi porque eu constatei a falência irremediável da imagem pública que eu mesmo escolhi aí no Brasil. Quando eu me congratulei com aqueles que eu me fizeram sofrer, eu estava querendo dizer que, dando motivo para crescer uma compaixão unânime por mim, que vira prêmios e homenagens e capas de revistas muito significativas, eles conseguiram realmente aniquilar o que me fez ver isso de uma forma muito mais nítida. Cansei. Não dá pé explicar tudo direitinho, parece que a gente está mentindo. Eu não sei falar assim. Eu sou apenas um colaborador do Pasquim, um colaboracionista. Aliás, eu mesmo sou contra tudo que penso. Portanto, ninguém tome ao pé da letra nada do que digo. Nem ao pé da letra, nem de nenhuma outra forma. Ou melhor: tome de qualquer jeito, que vem dar no mesmo. Eu quero é me divertir como o Paulo Francis quando escreve. Eu quero é comer com coentro. Já morri que eu sou muito vivo. Além do mais, estou cansado de escrever e ainda vêm estas frases sem pé nem cabeça (como se as outras o tivessem). Enfim: eu gostaria de fazer um filme chamado Memórias do subdesenvolvimento.

Comentários

  1. Ipanemia, agora que o Rio será sede de olimpíada, vai novamente ficar na moda...mas, é mesmo um texto muito bonito!
    beijo, lindo final de semana

    ResponderExcluir

Postar um comentário