REGISTRO CIVIL

MURILO MENDES


Repousaram formas nebulosas
na penumbra do quarto entre dois sonos.
O mundo nasce com os sinos cantando a glória de Nossa Senhora,
o anjo da guarda desperta da confusão primitiva
e se inclina sobre o berço azul
desenrolando a cantiga do gigante escondido no bosque escuro
que já tão cedo vai me levar até o fundo do sonho.
A cidade se anuncia:
homens enormes com paletós de seis botões, mulheres de matinê,
meninas anêmicas passeando com um ar vaporoso no jardim de cromo,
a rua comprida, comprida,
bondes puxando a burros
e longe a cantiga pau do rio anônimo.

O mundo que subsiste no porão da minha memória.

Murilo Mendes
(13 de maio de 1901, Juiz de Fora, Minas Gerais - 13 de agosto de 1975, Lisboa, Portugal)
Murilo Monteiro Mendes foi um poeta e prosador brasileiro, expoente do surrealismo brasileiro.

Comentários