A BELA ADORMECIDA NA BAÍA

MURILO MENDES


A transparência das águas
Deixa ver uma mulher
Descansando na baía.
Ao longo da praia o mar,
Os ônibus e automóveis
Tocam hinos de sirenes
Chamando pela mulher.
Até as figuras de pedra
Acordaram para ver,
Tomam o carinho do ar,
Se misturam à multidão
Que pede pela mulher.
Os homens gritam, as crianças
Assobiam, as mulheres
Cantarolam, reclamando
O corpo dessa mulher.
De longe vem muita gente,
Vêm navios, trazem gente
Pra descobrir a mulher,
Chamam a mulher, tristemente,
Com o apito das chaminés.
Mas a mulher, distraída,
Dorme um sono de mil anos:
Ninguém, nem mesmo o jazbande,
Nem mesmo Deus! até hoje
A conseguiu despertar.

Murilo Mendes
(13 de maio de 1901, Juiz de Fora, Minas Gerais - 13 de agosto de 1975, Lisboa, Portugal)
Murilo Monteiro Mendes foi um poeta e prosador brasileiro, expoente do surrealismo brasileiro.

Comentários