ILUSÃO

FAGUNDES VARELA


Sinistro como um fúnebre segredo
Passa o vento do Norte murmurando
Nos densos pinherais;
A noite é fria e triste; solitário
Atravesso a cavalo a selva escura
Entre sombras fatais.

À medida que avanço, os pensamentos
Borbulham-me no cérebro, ferventes,
Como as ondas do mar,
E me arrastam consigo alucinado,
À casa da formosa criatura
De meu doido cismar.

Latem os cães; as portas se franqueiam
Rangendo sobre os quícios; os criados
Acordem pressurosos;
Subo ligeiro a longa escadaria,
Fazendo retinir minhas esporas
Sobre os degraus lustrosos.

No seu vasto salão iluminado,
Suavemente repousando o seio
Entre sedas e flores,
Toda de branco, engrinaldada a fronte,
Ela me espera, a linda soberana
De meus santos amores.

Corro a seus braços trêmulo, incendido
De febre e de paixão... A noite é negra,
Ruge o vento no mato;
Os pinheiros se inclinam, murmurando:
- Onde vai este pobre cavaleiro
Com seu sonho insensato?...

Fagundes Varela
(17 de agosto de 1841, Rio Claro, Rio de Janeiro - 18 de fevereiro de 1875, Niterói, Rio de Janeiro)
Luís Nicolau Fagundes Varela foi um poeta romantista brasileiro da 2ª Geração, patrono na Academia Brasileira de Letras.

Comentários