O BARCO

JANAINA RAMOS


O barco balançava e rumava ao desconhecido até que afundou e foi absorvido no mar para nunca mais aparecer. Os seus tripulantes foram esquecidos de suas histórias. Não restou nenhuma lembrança ou memória de suas vidas passadas. Foi como se nunca tivessem existido ou uma borracha os apagou e os deletou de qualquer vestígio que tinham deixado. Ninguém sentiu falta deles. Não havia saudades. Somente um vazio deixado por vidas que sofreram a não-existência. Tudo num lapso de segundo, num momento rebolavam, pulavam, dançavam e cantavam no barco, felizes e curtindo a viagem, e no outro, o barco afundou e não restou mais nada... Somente o mar ecoando vozes submersas e esquecidas.

Comentários