PLANTAS

JORGE DE LIMA



Nascem plantas nas trevas! Infelizes,
buscam o Sol e o Sol não as visita.
A Natureza faz-se mãe maldita:
não lhes dá leite, não lhes dá mutrizes.
Eis a tragédia anônima, infinita!
Uma catléia, para ter matizes,
por sobre as outras plantas se espevita
e suga e arruína como as meretrizes...

E esses desvios comprometedores,
és tu, ó Natureza, que os concitas;
e, para que teus erros vulgarizes,

se crias plantas que dão fruto e flores,
outras como as talófitas suscitas,
que não tem folhas e não tem raízes!

Jorge de Lima
(23 de abril de 1895, União dos Palmares, Alagoas - 15 de novembro de 1953, Rio de Janeiro)
Jorge Mateus de Lima foi um político, médico, poeta, romancista, biógrafo, ensaísta, tradutor e pintor brasileiro. Inicialmente autor de versos alexandrinos, posteriormente transformou-se em um modernista.

Comentários