A NAMORADA DE LÁZARO

MURILO MENDES


Aqui na terra eu deixei
Uma mulher carinhosa
Que rezava dia e noite
Para eu ressuscitar.

Tanto tempo ela rezou,
Com tanta fé, tanto ardor,
Com força no pensamento,
Que os espaços tremeram,
Os santos se concentraram,
A música desse pedido
Não deixava eles dormirem...
E um dia ressuscitei.
A pobre da namorada
De tanto rezar por mim,
Coitada, perdeu a força,
Levaram num carro azul
Com três coroas bem pobres,
Mas de flores naturais.
Que adiantou me levantarem
Se minha amada morreu?
Ressuscitam-na também,
Senão dispenso milagre,
Dou um tiro na cabeça
Dispenso ressurreição.

Murilo Mendes
(13 de maio de 1901, Juiz de Fora, Minas Gerais - 13 de agosto de 1975, Lisboa, Portugal)
Murilo Monteiro Mendes foi um poeta e prosador brasileiro, expoente do surrealismo brasileiro.

Comentários