"QUANDO EU MORRER QUERO FICAR"

MÁRIO DE ANDRADE


Quando eu morrer quero ficar,
Não contem aos meus inimigos,
Sepultado em minha cidade,
Saudade.

Meus pés enterrem na rua Aurora,
No Paiçandu deixem meu sexo,
La Lopes Chaves a cabeça
Esqueçam.

No Pátio do Colégio afundem
O meu coração paulistano:
Um coração vivo e um defunto
Bem juntos.

Escondam no Correio o ouvido
Direito, o esquerdo nos Telégrafos,
Quero saber da vida alheia,
Sereia.

O nariz guardem nos rosais,
A língua no alto do Ipiranga
Para cantar a liberdade.
Saudade...

Os olhos lá no Jaraguá
Assistirão ao que há-de-vir,
O joelho na Universidade,
Saudade...

As mãos atirem por aí,
Que desvivam como viveram,
As tripas atirem pro Diabo,
Que o espírito será de Deus.
Adeus.

Mário de Andrade
(9 de outubro de 1893, São Paulo, São Paulo - 25 de fevereiro de 1945, São Paulo, São Paulo)
Mário Raul de Moraes Andrade foi um poeta, escritor, crítico literário, musicólogo, folclorista, ensaísta brasileiro. Ele foi um dos pioneiros da poesia moderna brasileira com a publicação de seu livro Paulicéia Desvairada em 1922.

Comentários

  1. AMEI ESTE POEMA E AMO ESTE ESCRITOR...
    QUEM GOSTA DE LER LIVRO DE MISTERIO ROMANCE POESIA ETC...
    ENTRE EM CONTATO COMIGO NO TEL:32881239 PARA FAZER NOVAS AMIZADES FALAR COM carla...

    ResponderExcluir

Postar um comentário