LAZARO

MURILO MENDES


Levantei-me com toda a força do meu sangue
Do oco da sepultura onde estava.
Estendo os braços pra penetrar as flores,
Pra acarinhar os corpos das mulheres

Percebo as coisas do mundo uma por uma,
Tudo está direitinho como outrora,
Não se alterou a vida dos elementos.
Até mesmo eu estou firme nos pedais,
Como antigamente, e reconheço
Os sofrimentos que já vão chegando.
As estrelas continuam a dança, obedientes,
Tudo está no seu lugar, a mulher à-toa,
A pedra, a mãe, o irmão, todos enfim,
Só não vejo, até agora inda não vi,
O Deus que me mandou ressuscitar.

Murilo Mendes
(13 de maio de 1901, Juiz de Fora, Minas Gerais - 13 de agosto de 1975, Lisboa, Portugal)
Murilo Monteiro Mendes foi um poeta e prosador brasileiro, expoente do surrealismo brasileiro.

Comentários