CAMÕES (1524-1580)

Destarte a vida noutra fui trocando; 

Eu não, mas o destino fero, irado, 
Que eu, inda assi, por outra mão não trocara. 
Fez-me deixar o pátrio ninho amado, 
Passando o longo mar, que ameaçando 
Tantas vezes me esteve a vida cara: 

... 
Agora peregrino, vago, errante, 
Vendo nações, linguagens e costumes, 
Céus vários, qualidades diferentes, 
Só por seguir com passos diligentes 
A ti, Fortuna injusta, que cosumes 
As idades, levando-lhe diante 
Ua esperança em vista de diamantes, 
Mas, quando das mãos cai, se conhece. 
Que é frágil vidro aquilo que aparece.

Luís Vaz de Camões foi um poeta de Portugal, considerado uma das maiores figuras da literatura em língua portuguesa e um dos grandes poetas do Ocidente. Pouco se sabe com certeza sobre a sua vida.


Comentários