RECORTES LITERÁRIOS: EM BUSCA DO TEMPO PERDIDO

Marcel Proust (1871-1922)

Da mesma forma como, antes de beijar Odette pela primeira vez, procurara imprimir na memória o rosto que ela tivera durante tanto tempo para ele, e que a recordação daquele beijo ia transformar, assim teria gostado, ao menos em pensamento, de fazer suas despedidas, enquanto ela ainda existia, àquela Odette que lhe inspirara amor e ciúme, àquela Odette que o fizera sofrer e que agora não veria nunca mais. Enganava-se. Devia vê-la ainda uma vez, algumas semanas depois.

PROUST, 2004, p.296
Um amor de Swann
NO CAMINHO DE SWANN
Em busca do tempo perdido

Comentários