RECORTES LITERÁRIOS: EM BUSCA DO TEMPO PERDIDO

Marcel Proust (1871-1922)
Pois, de imagens incompletas e cambiantes, Swann, adormecido, extraía falsas deduções, aliás tendo 
momentaneamente um tal poder de criação que se reproduzia por simples divisão como certos organismos inferiores; com o calor da própria palma da mão, modelava o côncavo de mãos estranhas que julgava apertar e, de sentimentos e impressões de que ainda não tinha consciência, fazia nascer como que peripécias, as quais, pelo seu encadeamento lógico, levariam, em dado momento, o seu sono, o personagem necessário para receber seu amor ou para despertá-lo.

PROUST, 2004, p.297
Combray
NO CAMINHO DE SWANN
(Em busca do tempo perdido)

Comentários