RECORTES LITERÁRIOS: EM BUSCA DO TEMPO PERDIDO

Marcel Proust (1871-1922)

E talvez o que sentisse naquele momento de quase agradável também fosse outra coisa que não o apaziguamento de uma dúvida e de uma dor: um prazer da inteligência. Se, desde que estava apaixonado, as coisas tinham recuperado para ele um pouco do delicioso interesse que lhes encontrava antigamente, mas apenas quando iluminadas pela lembrança de Odette, agora era uma outra faculdade de sua juventude estudiosa que seu ciúme despertava, a paixão pela verdade, mas por uma verdade que também se interpusesse entre ele e sua amante, só recebendo luz dela, verdade bem individual, cujo único objetivo, de um valor infinito e quase de uma beleza desinteressada, eram as ações de Odette, suas relações, seus projetos, seu passado.

PROUST, 2004, P.220
Um amor de Swann
NO CAMINHO DE SWANN
Em busca do tempo perdido

Comentários