RECORTES LITERÁRIOS: EM BUSCA DO TEMPO PERDIDO

Marcel Proust (1871-1922)

Felizmente para Swann, sob os novos sofrimentos que acabavam de entrar em sua alma como hordas de invasores, existia um fundamento de natureza mais antiga, mais suave e silenciosamente laboriosa, como as células de um órgão ferido que logo se põem a trabalhar para refazer os tecidos lesados, como os músculos de um membro paralisado que tendem a retornar seus movimentos. Esses habitantes mais antigos e mais autóctones de sua alma empregaram por um momento todas as forças de Swann nesse trabalho obscuramente reparador, que dá a ilusão do repouso a um convalescente, a um operado. Desta vez agora, foi menos como de costume no cérebro de Swann que se produziu essa trégua por esgotamento, e sim antes no seu coração. Porém todas as coisas da vida que existiram uma vez tendem a recriar-se, e como um animal agonizante que se agita de novo nos arrancos de uma convulsão que parecia finda, sobre o coração de Swann, poupado por um instante, o mesmo sofrimento foi retraçar a mesma cruz. Ele se lembrou daquelas noites de luar em que, estendido em sua vitória que o levava para a rua La Pérouse, cultivava em si, voluptuosamente, as emoções do homem amoroso, sem saber que frutos envenenados seriam necessariamente produzidos. Mas todos esses pensamentos não duravam mais que um segundo, tempo bastante para levar a mão ao coração, retomar fôlego e conseguir dar um sorriso para dissimular sua tortura. E já recomeçava a fazer perguntas, pois o seu ciúme, que se dera a um trabalho que um inimigo não se daria para lhe assestar um golpe, para lhe dar conhecimento da dor mais cruel que jamais tivesse conhecido, o seu ciúme achava que ele não sofrera bastante e tentava fazê-lo receber uma ferida ainda mais profunda. Assim, como um divindade malvada, o ciúme inspirava Swann e o impelia à sua perda. E se o suplico não se agravou no princípio não foi por culpa sua e sim por causa de Odette.

PROUST, 2004, pp.285-286
Um amor de Swann
NO CAMINHO DE SWANN
Em busca do tempo perdido

Comentários