RECORTES LITERÁRIOS: EM BUSCA DO TEMPO PERDIDO

Marcel Proust (1871-1922)

Até então, como em muitos homens cujo gosto pelas artes se aprofunda independentemente da sensualidade, existira uma estranha disparidade entre as satisfações que ele atribuirá a uma coisa e outra, desfrutando, em companhia de mulheres cada vez mais rudes, a sedução de obras cada vez mais requintadas, por exemplo, levando uma empregadinha para um camarote reservado para assistir à representação de uma peça decadentista que tinha vontade de ouvir ou a uma exposição de pintura impressionista, convencido, aliás, que uma mulher da sociedade intelectualizada não entenderia muito mais do que a criada, mas não teria sabido ficar calada com tanta gentileza.

PROUST, 2004, pp.199-200
Um amor de Swann
NO CAMINHO DE SWANN
Em busca do tempo perdido

Comentários