AO LEITOR

Vivi na escuridão. Aprisionada na Idade das Trevas numa cegueira na qual não enxergava a verdade. Anteriormente abandonara os livros para viver, ter amigos, namorar e só curtir a vida. Havia passado toda a fase da adolescência só nas inúmeras leituras, na juventude negligenciei as leituras logo quando entrei na faculdade e demorou seis anos para que eu retornasse a ler. Agora concilio o meu tempo com trabalho, estudos, lazer, prazeres, namoro, e muita leitura.


Mas, caro leitor, saiba que o livro é insubstituível e não devemos abandoná-lo mesmo nas horas mais difíceis. Fui tola ao abandonar a leitura por muito tempo. Os anos me trouxeram mais maturidade e paciência, vivo entregue aos meus prazeres, curto a vida a cada segundo. Eu me amo, amo os livros, sou apaixonada pelo meu namorado que também é um bibliotecário assim como eu sou, aliás, temos o mesmo cargo só que moramos em regiões diferentes e por isso nos vemos só aos finais de semana. Além do meu emprego e namorado, tenho os meus amigos, que procuro sempre que possível encontrá-los e desfrutar da companhia deles. Portanto, eu retornei a leitura sem deixar de lado as outras coisas que curto. A vida parece ser longa, se não aproveitarmos bem o tempo com as coisas que gostamos posteriormente iremos lamentar e correr atrás do tempo perdido. Vai ver que é por causa disso que agora procuro ler uns três a cinco livros ao mesmo tempo alternando a leitura de um capítulo de cada pois assim não se torna tão cansativo e surge até um certo suspense e curiosidade nas leituras pausadas.

E nada melhor do que correr atrás do tempo perdido em lembrar da nossa infância com impressões e sensações do presente. É nisso que Proust nos mostra no Primeiro Volume de Em busca do tempo perdido em No Caminho de Swann. Proust rememora as sensações e memórias da infância ao comer um biscoito na vida adulta. No meu caso é um arroz doce quando comia no recreio da escola e depois corria para a biblioteca ficar lendo nesse restinho de tempo.

JANAINA RAMOS

SUGESTÃO DE LIVRO DESSA SEMANA
NO CAMINHO DE SWANN, Proust

Comentários