AO LEITOR

Caro leitor, você sabia que somos todos iguais perante a Deus? Ninguém é melhor do que ninguém, todos possuímos as nossas diferenças e os próprios ideais de que devem ser respeitado perante todos. Viva a diversidade humana.

Eu vim de Ensino Público da Rede Estadual de Ensino numa região esquecida e considerada a mais pobre do Estado de São Paulo que é o Vale do Ribeira. Nasci em Juquiá, após terminar o Ensino Médio fui morar em Guarapuava-PR durante um ano e depois fui embora para São Paulo onde moro há 8 anos apesar de que no ano passado retornei para a minha cidade por causa do trabalho. Agora sou uma nômade, viajo muito durante toda a semana, tanto que amanhã deverei retornar para São Paulo por causa da minha Pós-Graduação em A Arte de Contar Histórias que é toda quarta-feira. Devo confessar que adoro viajar de ônibus, aproveito esse tempo na estrada para ler não só um livro, mas vários, e também para tirar um cochilo. E desde a época da escola que já lia muito, na verdade até mais do que agora. Sabe como é, na vida adulta mesmo com o tempo livre disponível às vezes é difícil conciliar a leitura com tantas preocupações a pensar. Nesse caso o aconselhável é ler, pois a leitura pode nos distrair um pouco dos nossos problemas só que não é sempre que temos vontade de ler com a mente muito sobrecarregada de preocupações.
Dentre as minhas leituras de viagem recomendo a do Proust, inclusive os melhores trechos eu publico nesse Blog, acredito que você deva acompanhar sendo que na próxima publicação será um trecho de Um Amor de Swann. No momento estou na terceira obra da série Em busca do tempo perdido que é O Caminho de Guermantes. Proust é uma leitura hiper complicada, um romance psicológico com capítulos imensos carregado de sentenças longas com muita descrição. No Caminho de Swann, que é a primeira obra, demorei mais de dois anos para finalizar, e agora eu tenho um método para não abandonar Proust, leio 10 páginas alternando com leituras de outros livros, pois se eu leio de uma vez acabo me cansando e desistindo da obra, o que causa depois o arrependimento. Fica a dica para quem deseja ler Proust, apesar de que meu professor na faculdade me avisara que essa leitura seria para maiores de 30 anos por nessa idade já teria maturidade suficiente para ler e entender Proust. Não dei ouvidos ao meu professor, teimei em ler a obra aos 20 anos, fiquei dois anos tentando ler o primeiro capítulo, abandonei durante meses, retornei ano passado e agora vou lendo aos poucos para não desistir.

Até a próxima semana. Boa noite.

JANAINA RAMOS

SUGESTÃO DE LIVRO DA SEMANA:
EM BUSCA DO TEMPO PERDIDO, Proust

Comentários