RECORTES LITERÁRIOS: EM BUSCA DO TEMPO PERDIDO

Marcel Proust (1871-1922)
Não existe talvez uma só pessoa, por maior que seja a sua virtude, que a complexidade das circunstâncias não possa levar a viver um dia na intimidade do vício que condena de maneira mais formal — sem que, aliás, o reconheça inteiramente sob o disfarce de fatos particulares com que esse vício se cobre para entrar em contato com essa pessoa e fazê-la sofrer: termos bizarros, atitudes inexplicáveis, certa noite, de um ser a quem, por sinal, tem tantos motivos para amar.

PROUST, 2004, p.128


Combray
NO CAMINHO DE SWANN 
(Em busca do tempo perdido)

Comentários