MADRUGADA PROUSTIANA

Outra noite acordada, desta vez não tenho insônia, aliás, já estou com muito sono e creio que logo irei dormir, após escrever, é claro.

Proust - creio eu - durante toda a sua obra - ainda não finalizei o primeiro livro No Caminho de Swann - relaciona o livro como algo além da sua identidade, está presente ali em todos os momentos da sua vida, desde a infância até a vida adulta; o livro para ele, é muito maior do que imaginamos ou que possamos realmente compreender a sua relação, pois, ele é um escritor e escreveu uma grandiosa obra literária graças a suas memórias. O livro para Proust vai além de sua própria alma.


Da minha infância até aos 17 anos a minha relação com o livro era inseparável, lia com muito prazer, passava meus dias lendo e não fazia mais nada, não tinha amigos e nem queria tê-los. Engraçado as lembranças, muitas estão enterradas na nossa memória e nem recordamos, acabei de lembrar de algo referente ao assunto que eu tinha esquecido completamente. Quando eu tinha 17 tive a oportunidade de morar em outro estado, longe dos meus pais - me senti pela primeira vez na vida livre - numa república de meninas - todas da minha cidade. Eu estava num rumo totalmente diferente, não podia continuar sendo a mesma garota tímida sem amigos de antes, apesar de adorar a companhia dos livros eu me sentia muito sozinha e eu precisava desesperadamente da companhia de alguém, eu necessitava de contato humano. Então, eu tinha uma série escolha a tomar, ter amigos e abandonar os livros ou ficar com os livros e sozinha sem amigos. A lembrança que tive agora foi num tempo que estava nessa transição, ainda confusa com as minhas escolhas; foi num dia de feriado que vim pra minha cidade e trouxe três livros da coleção Os Imortais - não recordo os títulos - para ler, no final acabei não lendo nenhum e os devolvi para a biblioteca sem os ler. Eu ousei tomar um passo bem arriscado e agora eu me arrependo seis anos depois.

Naquela época não sabia que eu podia ter amigos e conciliar a leitura, bastava ler menos do que estava acostumada, não abandonei totalmente a leitura mas a partir daquele ano passei a ler de um a três livros por ano e isso durou até a formatura da graduação. Eu me invejo do meu passado, do tempo em que lia mais de dez livros por ano, passei seis anos na escuridão e finalmente já avistei a luz no final do túnel. Recuperei minha identidade, posso dizer novamente com orgulho que sou leitora e estou feliz. Não quero mais passar um dia sem ler mesmo que eu tenha de ler só um capítulo de livro, criei uma meta de leitura e vou cumpri-la.

Proust é a minha luz, graças à obra dele que voltei a ler. Não nego que de inicio ele foi a minha condenação nos últimos dois anos na qual eu tentava ler e nem conseguia concluir o primeiro capítulo Combray de No Caminho de Swann, capítulo que levei dois anos para concluir. O meu plano de leitura é ler um capítulo por vez de Em Busca do Tempo Perdido intercalando com leituras de outros livros. Ah, eu costumo transcrever os trechos que mais gosto das leituras, como se fosse uma espécie de memorização para eu não esquecer, meu método é marcar a página do trecho selecionado com marcador de fita adesiva, conforme vou lendo e gostando de algo coloco a fita, finalizada a obra tiro cópia dessas páginas marcadas - depois retiro todos os marcadores adesivos pois se deixar num tempo prolongado prejudica os livros -, marco o trecho com caneta marcador de texto nas folhas copiadas - nunca no próprio livro - para poder assim transcrever num caderno, eu possuo um caderno diferente para cada obra. Essas transcrições eu disponibilzo todas para vocês e devo dizer que ainda são poucas, pois, devo ter de só três ou quatro obras.

Em Busca do Tempo Perdido é um título além de sugestivo, faz-nos pensar do nosso tempo perdido. O meu foi o de ter abandonado a leitura nesses últimos anos, ainda bem que não demorei mais tempo para recuperar o meu gosto. E para não perder o prazer de ler e antes que o sono me domine de vez irei continuar a minha leitura de...

JANAINA RAMOS


TRECHO COMENTADO DE:

Comentários