As vozes da minha alma - Janaina Ramos

As dores que sinto consomem dia a dia as minhas energias. As dores invadem as minhas entranhas e sugam o sêmem da vida. Sinto dores há tempos que nem me lembro como foi o começo do meu suplicio. Tenho medo. A morte de Michael Jackson sensibilizou-me. Ele sentia dores no corpo e era submetido a dosagens de remédios. Sou consumida pelos remédios e temo que me viciem, não sei se paro de tomá-los ou prossigo no tratamento.

O meu mal não é somente a minha enxaqueca ou cefaleia crônica, sinto terríveis dores de cabeça a todo instante que as vezes nem lembro que estou com ela, além desse martirio há outros, de vez em quando sinto dores percorrendo o meu corpo todo, de sexta pra sábado eu sentia dores nas pernas causando mais dores ainda quando andava, certos momentos os meus braços tremem e nem vou falar das dores na coluna...

Cansei de dizer que cansei de sentir dor. Feliz aquele que não sente dor. Antigamente eu desejava ser normal aos outros, não sentir nada e poder fazer tudo o que quisesse. Eu adoro correr mas na situação que me encontro não encontro-me em condições de correr, se eu corro logo teria de parar por causa das dores.

Essa dor de cabeça um dia acabará comigo. Sinto que prejudica um pouco o meu raciocínio, se hoje eu não pude postar muito no blog foi pra descansar um pouco a mente, quando a dor é muito intensa nem penso direito, o que é uma lástima para mim já que sou uma pensadora, se sou privada do usufruto da minha vida que são os meus pensamentos, do que viverei?

Comentários

  1. Tem selo para você lá no blog...
    Boa semana
    Beijos

    ResponderExcluir
  2. Olá, penso que os pensamentos são paridos da dor também, e quem não sente dor não pode ser feliz pois a vida não existe onde não há dor. Sem dor creio que não haveria poetas nem escritores, não haveria Arte, nem pensamentos: pelo menos aqueles capazes de tirar nosso mundo dos trilhos. Não entenda isso como uma confrontação, mas uma perspectiva diferente, nem melhor, nem pior. Ademais, gostei do seu espaço, adorei "Delírio da mente", há um certo cheiro de pessimismo, que na união de Vênus com Marte me soa como uma redenção trágica - também, mera opinião de leitor que jamais podera desvendar o que se passa na fisiologia de tais palavras. Não sou muito de comentar, mas continuarei minhas visitas por aqui, certamente; contudo, senti-me na obrigação de dizer algo em referência a esse "post das dores". Lembro aqui de Nietzsche: acho que ele não diria para você se curar das dores, mas diria para transformá-las em matéria para atingir cumes mais altos. É assim que penso, transforme-a em poesia! Ah, não entenda isso como um imperativo, transforme-a no que quiser ;)
    um abraço e sucesso

    ResponderExcluir
  3. eu so tenho que dizer seu blog e bellissimo .
    prbns

    ResponderExcluir

Postar um comentário